Geniesse das Leben! Heute ist der beste Tag und jetzt ist die beste Möglichkeit.
2016
Am 16.Dezember
kultur Integration
Im Dezember  \\ ROXY \\  Wien Österreich
Livemusik ! KUNST UND KULTUR IN BEWEGUNG!
 
DSC_1083
DSC_1083

press to zoom
DSC_1083
DSC_1083

press to zoom
1/1

Rapadura Xique Chico

 

RAPadura chegou disposto a embolar e movimentar o cenário

musical brasileiro com uma inusitada mistura de rap com repente

alimentado por muito coco, maracatu, forró, baião e cantigas de roda, que fazem dele o percussor de um movimento em defesa da cultura popular, integrando o rap contemporâneo à música de raiz. “Não me defino como rapper por que não faço apenas rap, faço Rapente”, explica seu estilo musical.

 

RAPadura desenvolve um trabalho voltado para o universo do canto falado. Uma mistura arrojada de rap com a tradição da cultura popular brasileira. Suas letras são contundentes e exalam uma linguagem poética sem perder a identificação com o povo. Falam do Nordeste, da seca, do agricultor, da mulher rendeira e também falam da cidade e dos processos de urbanização.

Francisco Igor Almeida do Santos nasceu em 1984, no município de Lagoa Seca, uma Vila na periferia de Fortaleza no Ceará, e como centenas de sertanejos, migrou com sua família para Brasília em 1997, quando ainda era adolescente. O apelido vem da sua paixão pela rapadura, nome de um famoso doce tipicamente nordestino, feito do puro sumo da cana e conhecido por fornecer muita energia e vitalidade para quem o consome. RAPadura costumava comer um pote de rapadura depois das exaustivas peladas de futebol com os amigos.

A saudade que sentia do Nordeste o influenciou na composição de suas primeiras músicas. A inspiração chegou por necessidade quando decidiu fazer uma “coisa diferente”, uma música que as pessoas gostassem de ouvir. Comprou alguns discos de baião e começou a ouvir em casa. Inspirado pelas canções de Marinês, Luiz Gonzaga, Heleno Ramalho, Banda de Pau e Corda, Lia de Itamaracá, Patativa do Assaré e por expoentes do rap nacional como o grupo Cambio Negro, a dupla Thaíde e DJ Hum e o rapper GOG, RAPadura lança seu primeiro trabalho gravado A FITAEMBOLADA do Engenho – Rapadura na BOCA DO POVO. Com 8 faixas, o título faz uma referencia ao termo MixTape muito usado no universo do rap e faz muita gente dançar com “Maracatu de cá pra lá”. Traz uma declaração ao seu “Norte e Nordeste me veste”, canção que ganhou o primeiro clipe oficial. Fala de um “amor Popular”, de uma “Moça Namoradeira” “Tu e Eu” vão cantar “Rima Junina” em uma “Fita embolada de Engenho” de um Rapadura que é “Doce mas num é mole”,Não.

“Escrevi uma música em cima de uma canção de Luiz Gonzaga.

Peguei um pequeno trecho de sanfona, joguei umas batidas em

cima e escrevi uma canção falando sobre a cultura nordestina”.

Para quem já compartilhou dos mesmos eventos e palcos que Lenine, Gerson King Combo, Detonautas, Paulo Maria Rita, MV Bill, Gog e Racionais MC’s, o desafio agora atender ao chamado para uma missão mais do que especial: representar seu Norte e Nordeste, levar sua cultura para os quatro cantos do mundo.

E para colocar em prática um trecho da primeira faixa da FITAEMBOLADA Do Engenho – RAPapura na boca do povo que diz “RAPadura, Primeiro pro povo depois pra exportação” ele vai mostrar toda sua musicalidade junto conosco em viena no dia 16 de dezembro no ROXY CLUB Wien.

 

“Não vejo cabra da peste, só carioca e paulista, só freestyleiro em nor- deste, não querem ser repentistas, rejeitam xilogravura, o cordel que é literatura, quem não tem cultura, jamais vai saber o que é RAPadura!”

ANFAHRT

  ROXY - Faulmanngasse 2, 1040 Wien